Twitter Facebook YouTube

CUT MG > LISTAR NOTÍCIAS > GERÊNCIA DA REPLAN OMITE A VERDADE E MINIMIZA GRAVIDADE DO ACIDENTE

Gerência da Replan omite a verdade e minimiza gravidade do acidente

13/11/2017

No momento da parada emergencial, 2 mil trabalhadores estavam dentro da refinaria.

Escrito por: Alessandra Campos - Sindipetro Unificado-SP

A gerência da Replan (Refinaria Planalro), localizada no ABC paulista, mudou a versão que havia apresentado à direção do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) para justificar a demora no acionamento do alarme durante a emergência operacional, que parou toda a refinaria no dia 1º de novembro. A empresa tenta ainda minimizar a gravidade do acidente, classificando o caso como uma ocorrência normal, e a gestão da Petrobrás não permite que o Sindicato participe da comissão de acidentes, que investiga as causas da parada emergencial.

Era começo da tarde do dia 1º, cerca de 2 mil trabalhadores estavam dentro da refinaria, quando a operação de todas as unidades da Replan foi interrompida em situação de emergência. Uma enorme quantidade de fumaça escura e amarelada começou a sair pelas chaminés, formando na atmosfera uma nuvem gigantesca, composta de uma mistura tóxica e inflamável de gás, gasolina, óleo diesel e catalisador. A nuvem podia ser vista a quilômetros de distância e causou medo em muitos trabalhadores e em moradores vizinhos da refinaria.

Apesar do cenário assustador e perigoso, o alarme de emergência (tifon) demorou 20 minutos para tocar. Durante todo esse tempo, uma grande parte dos trabalhadores não sabia o que estava acontecendo na empresa, como proceder e para onde se deslocar. Foram 20 minutos de agonia, em que os milhares de trabalhadores ficaram expostos a uma situação de risco grave.

Logo após a emergência ser controlada, diretores do Sindicato foram questionar e apurar as causas da parada emergencial. Em mais de uma reunião, gerentes da refinaria afirmaram que o alarme não foi acionado imediatamente para evitar que os operadores que atuam como brigadistas deixassem a área operacional onde trabalham. Ou seja, não tocaram o alarme para não desfalcar ainda mais o quadro do efetivo, que já está bastante reduzido.

A justificativa para a demora no acionamento do tifon ganhou uma outra versão na reunião da Cipa, realizada quarta-feira (08). Em uma explicação absurda, a gerência disse que tinha uma equipe monitorando a nuvem de gases e que não havia risco de acidente, porque a nuvem estava sendo conduzida a favor do vento e “baseado em estudos técnicos, não havia risco de explosão, só de incêndio”.

A direção do Sindicato contesta esta segunda explicação e considera que o alarme não foi acionado imediatamente, como deve ser, porque a gerência da Replan teve receio de manter na área operacional um número de trabalhadores ainda menor, já que essa condição dificultaria ainda mais o controle de uma emergência.

A situação comprova, mais uma vez, a negligência e a irresponsabilidade da gestão da Petrobrás ao implementar o estudo de O&M, que reduz o efetivo mínimo, precariza ainda mais as condições de trabalho e aumenta a insegurança nas áreas operacionais. 

É muito estranho que a empresa tenha mudado sua justificativa de uma hora para a outra. Isso só nos leva a crer que a gerência está tentando omitir a verdade.

Mais estranho ainda é que logo após apresentar sua nova versão, a empresa tenha classificado um caso de tamanha gravidade como uma simples “ocorrência de classe nível zero” e impedido o Sindicato de integrar a comissão de investigação de acidentes. A atitude é suspeita e deixa algumas dúvidas no ar. Por que o Sindicato não pode participar dessa comissão de acidentes? Afinal, o que a Replan tem a esconder?

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
Tutorial: Saiba como participar da campanha pela anulação da Reforma Trabalhista
Tutorial: Saiba como participar da campanha pela anulação da Reforma Trabalhista

#AnulaReforma

RÁDIO CUT
FNDC

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE MINAS GERAIS
Rua Curitiba, 786, 2º andar | Centro | CEP 30170-120 | Belo Horizonte | MG
Fone: (55 31) 2102.1900 / 1916 | www.cutmg.org.br | e-mail: cutmg@cutmg.org.br